Segunda-Feira, 21 de Maio de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Empréstimo do Banco Mundial obriga Angola a rever subsídios aos combustíveis
Fevereiro 13, 2015
O empréstimo de 500 milhões de dólares que Angola está a negociar com o Banco Mundial vai obrigar Luanda a rever os subsídios aos combustíveis e o aumento do preço, que tem um "efeito provável no aumento da pobreza".

A consideração sobre os preços dos combustíveis insere-se no terceiro dos três pilares que justificam o empréstimo: mobilização de receitas dos setores petrolífero e não petrolífero; fortalecimento do sistema de gestão do investimento público, e redução dos subsídios aos combustíveis enquanto se implementam medidas de mitigação dos impactos sociais.

O Banco Mundial refere, segundo a agência Lusa, que a reforma dos subsídios aos combustíveis, medidas de mitigação social e decisões políticas baseadas em provas empíricas pretendem criar espaço orçamental para mais transferências sociais direcionadas, através de uma análise centrada no subsídio aos combustíveis, que é elevado e ineficiente".

No enquadramento internacional sobre o pedido de Angola, o Banco Mundial considera que "o preço internacional do petróleo caiu abruptamente nos últimos três meses, expondo a economia angolana a um grande choque orçamenta" e argumenta que "se os preços médios anuais do petróleo ficarem à volta dos 60 dólares, isso será um grande choque para uma economia dependente do petróleo, como Angola".

Segundo os dados do Banco Mundial, "em média, entre 2011 e 2013, o setor do petróleo no país representou cerca de 44% do PIB nominal, as exportações petrolíferas representaram 95% do total das exportações em valor, e as receitas do petróleo valeram 79% das receitas totais".

Assine a nossa newsletter
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky