Segunda-Feira, 21 de Maio de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Angola quer melhorar desempenho dos hospitais após crises de malária e febre-amarela
Junho 08, 2016
O ministro da Saúde de Angola anunciou uma reforma do setor com vista a "melhorar o desempenho" nomeadamente dos hospitais do país, cuja capacidade foi colocada à prova este ano com as epidemias de malária e febre-amarela.

A intenção foi transmitida por Luís Gomes Sambo depois da posse, em Luanda, na segunda-feira, dos dois novos secretários de Estado da Saúde, Eleutério Hivilikwa e Constantina Pereira Machado Furtado, nomeados para os cargos pelo chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, adiantou a agência de notícias Lusa.

"As instituições hospitalares do país funcionam, não estão paralisadas. Algumas funcionam melhor que outras e precisamos de melhorar aspetos da organização, de responsabilização, de desempenho dos próprios profissionais", reconheceu o ministro da Saúde.

Angola vive desde o final de 2015 epidemias de malária, que já terá afetado cerca de 400.000 de pessoas só em Luanda, e de febre-amarela, com mais de 2.000 pessoas e 325 óbitos. Luís Gomes Sambo garantiu que a situação está "controlada", com menos casos, óbitos e uma "melhor atenção a quem recorre aos hospitais", os quais, admitiu, enfrentaram no pico das epidemias "ruturas de stock" de "medicamentos essenciais", além de uma clara insuficiência de profissionais de saúde e camas.

Tendo em conta o cenário vivido este ano, Luís Gomes Sambo disse estar a ser preparada uma reforma "para melhorar o desempenho de algumas áreas" do setor da saúde e não escondeu que os hospitais serão alvo dessas medidas. "Temos de encontrar formas de melhorar o desempenho dos hospitais", enfatizou o governante, acrescentando que no âmbito desta reforma, em moldes ainda não conhecidos, serão criadas "novas estruturas" de apoio à população.
Assine a nossa newsletter
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky