Terça-Feira, 21 de Agosto de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Angola caiu para 8.º cliente das exportações portuguesas este ano
Dezembro 05, 2016
As trocas comerciais entre Portugal e Angola subiram significativamente desde 2010, exceto em 2015, quando a crise do petróleo abrandou a relação comercial, com os Estados Unidos a passarem a ser o principal mercado exportador fora da Europa.

De acordo com os números da Agência Internacional para o Comércio Externo de Portugal (AICEP), com base nos dados recolhidos pelo Instituto Nacional de Estatística de Portugal (INE), as exportações de Portugal para Angola subiram de 2,3 mil milhões de euros, em 2011, para 3,1 mil milhões em 2014, o que representa um aumento de 34,7%.

Em 2015, no entanto, no auge da crise petrolífera, as exportações desceram para pouco mais de 2 mil milhões, o que traduz bem a o impacto da crise do petróleo na relação comercial entre Portugal e Angola, atirando o volume de trocas comerciais para valores menores que no início da década. Assim, as compras de Portugal a Angola no ano passado desceram cerca de 500 milhões de euros no an, passando de 1,6 mil milhões, em 2014, para 1,1 milhões, muito à custa do preço do petróleo, que caiu sensivelmente metade entre o verão de 2014 e o final de 2016.

O petróleo é responsável por mais de 95% das exportações angolanas, sendo essencial para o equilíbrio das contas públicas e para financiar a construção das infraestruturas que Angola precisa para sustentar o desenvolvimento económico.

A crise que abalou a economia angolana no seguimento da descida dos preços do petróleo, cujo barril chegou a valer mais de 100 dólares no verão de 2014, para agora rondar os 50 dólares, motivou uma redução nas trocas comerciais também este ano. Os últimos dados da AICEP, referentes aos primeiros nove meses deste ano, mostram uma descida de quase 40% nas importações angolanas de produtos portugueses, para 965,5 milhões de euros, e uma quebra de 37% nas compras de Portugal a Angola, para 593,6 milhões, o que deverá fazer com que, no final do ano, as trocas comerciais desçam para níveis inéditos esta década.

Em Setembro, quando apresentou as contas relativas às importações e exportações do ano passado, o INE anunciou que em 2015 Angola "perdeu a sua posição como principal parceiro extracomunitário de Portugal, posição que passou a ser ocupada pelos Estados Unidos nas exportações e pela China nas importações". Angola passou, assim de quarto maior mercado de destino das exportações portuguesas, atrás dos vizinhos Espanha, França e Alemanha, para ocupar o oitavo lugar entre Janeiro e Setembro deste ano, valendo apenas 2,6% das vendas de Portugal ao exterior, quando no ano passado representava 4,2%.

As Máquinas e Aparelhos, com 25% do total das exportações para Angola, os produtos alimentares (15%) e agrícolas (10%), para além dos metais comuns (10%), representam mais de metade das vendas de Portugal àquele país, enquanto que os combustíveis minerais valem 98% da compras de Portugal a Angola.
Assine a nossa newsletter
EVENTOS
2018-08-09 14:07:42
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky