Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Odebrecht vende participação em mina de diamantes de Angola
Agosto 06, 2017
O grupo Odebrecht acertou a venda da participação de 16,4% na Sociedade Mineira de Catoca, que explora a quarta maior mina de diamantes a céu aberto do mundo, no leste de Angola.

A informação foi confirmada à agência Lusa, em Luanda, por fonte da Empresa Nacional de Prospeção, Exploração, Lapidação e Comercialização de Diamantes de Angola (Endiama), concessionária nacional para o sector diamantífero angolano e que detém uma quota de 32,8% na mesma sociedade.

De acordo com a mesma fonte, a compra da quota da Odebrecht será feita pela Sociedade Mineira de Catoca, pelo que os 16,4% podem depois vir a ser distribuídos, em proporção não revelada, pelos restantes accionistas, que incluem ainda – além da Endiama – os russos da Alrosa (32,8%) e os chineses da LLI (18%). Oficialmente, ainda nenhuma das empresas accionistas da Sociedade Mineira de Catoca se pronunciou sobre este negócio.

A mina de Catoca está avaliada em mais de 1,8 mil milhões de dólares (1.520 milhões de euros), pelo que a quota da Odebrecht pode valer mais de 250 milhões de euros, valores que a fonte da Endiama contactada pela Lusa não comenta.

Em operação desde 1997, a Sociedade Mineira de Catoca assegura a prospecção, extracção e comercialização dos diamantes da mina com o mesmo nome, na província da Lunda Sul, no leste de Angola, responsável por 75% da produção diamantífera anual angolana. Alguma imprensa brasileira reconhece a necessidade de a Odebrecht encaixar, com a venda de vários activos em todo o mundo, cerca de 3,8 mil milhões de dólares (3.200 milhões de euros), para fazer face aos custos com o processo judicial “Lava Jato”.

Para além do kimberlito de Catoca que explora na província angolana da Lunda Sul, aquela sociedade mineira tem uma participação maioritária noutras concessões diamantíferas em Angola, como a do Luemba, Gango, Quitúbia, Luangue, Vulege, Tcháfua e Luaxe. Esta última é considerada como o maior kimberlito do mundo e deverá iniciar a exploração em 2018.

Os diamantes renderam a Angola 1.082 milhões de dólares (910 milhões de euros) em 2016, uma redução de 100 milhões de dólares (85 milhões de euros) comparativamente a 2015, segundo dados do Ministério da Geologia e Minas de Angola. A produção total de diamantes atingiu os 8.934.000 quilates, correspondente a 99,21% da meta corrigida de 2016.

Assine a nossa newsletter
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky