Quinta-Feira, 13 de Dezembro de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Ministra pede sentimento patriótico face a ano difícil em Angola
Janeiro 05, 2018
A ministra da Cultura de Angola, Carolina Cerqueira, admitiu hoje que 2018 "vai ser difícil", tendo em conta as medidas económicas e de impacto social previstas pelo Governo, apelando ao "sentimento patriótico e de resiliência dos angolanos".

A governante, que falava durante a cerimónia de cumprimentos de Ano Novo, recordou que o país vive uma crise económica e financeira, que se arrasta desde finais de 2014 devido à quebra nas receitas com a exportação de petróleo, sendo necessário "relançar" e "sanear" a economia. "E cada cidadão, cada família, cada instituição terá que ter consciência de que o nosso papel encorajar as pessoas, informar a nossa população, as nossas famílias, os nossos parceiros de que depois da tempestade bem a bonança", disse.

A situação financeira levou o Governo angolano, desde Setembro liderado por João Lourenço, eleito Presidente da República, a elaborar um Programa de Estabilização Macroeconómica (PEM) apresentado quarta-feira, em Luanda, com 109 medidas de política fiscal, cambial e monetária, para garantir maior solidez financeira e a aplicar até final deste ano.

Falando diante de funcionários do Ministério, artistas angolanos e demais convidados, a ministra da Cultura defendeu a necessidade de todos "trabalharem em prol" do país "que queremos construir onde a Cultura terá um papel fundamental". "Os fazedores de cultura, os artistas, profissionais da cultura são os arautos da paz, da tolerância, do benfazer, da concórdia, e da valorização daquilo que é melhor para os angolanos", frisou.

A Cultura, segundo, a governante é "importante para o crescimento económico e é o factor determinante para o desenvolvimento humano, daí que cada um na sua comunidade, na sua família ou local de trabalho saiba incutir uma cultura de paz e uma paz na cultura". "Sendo o polo e o centro do diálogo, da tolerância do saber ouvir e fazer", rematou.

Assine a nossa newsletter
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky