Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Angola dá asas a novo operador na aviação doméstica
Maio 07, 2018
Com a assinatura de um contrato, para a aquisição de seis aeronaves, entre a nova operadora de voos domésticos, Air Conection Express, e a fabricante canadiana Bombardier, a TAAG perde a hegemonia do mercado interno de aviação.

Rubricado ao princípio da noite deste Sábado, em Luanda, por Angola, pelos nove sócios da companhia, enquanto o vice-presidente para África, Médio Oriente e Oceânia, Jean Paul Boudbou, assinou o contrato pela Bombardier, na presença do ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás. O consórcio, que tem na TAAG o sócio maioritário, ao lado da ENANA, Bestfly, Air Jet, Air 26, Air Guicango, Diexim, SJL e Mavewa, vai operar a partir de 2019, com aeronaves do tipo Q400.

Ao tomar da palavra em representação do consórcio nacional, Alcinda Pereira disse que este projecto pode vir a definir os próximos 30 anos da indústria em Angola, não só pela forma estruturada como está a ser conduzido, mas porque vai permitir o crescimento da economia nacional. Considerou que este projecto traz a possibilidade de se viajar a um custo mais baixo e permite um aumento significativo das frequências e ligações a todo o país, o que dita uma nova era da aviação em Angola.

Para o director Comercial da Bombardier, Sammer Adam, a escolha do Q400 é optima, trata-se de uma aeronave com velocidade e desempenho em pistas desafiadoras e em pequenos mercados onde outras aeronaves têm dificuldades, além de permitir uma redução de custos e o aumento da oferta dos serviços, com um forte pacote de suporte. Nos termos do contrato a Bombardier compromete-se em formar 25 assistentes de bordo, 55 pilotos, 40 mecânicos, entre outros serviços, bem como garante a presença de um representante de campo por 36 meses, de forma a assegurar o inicio da operação da Air Conection Express.

Novos aviões chegam a Luanda em 2019 Quatro novas aeronaves do tipo Q400, das seis solicitadas por Angola à fabricante canadiana Bombardier, devem chegar a Luanda em 2019, disse hoje o ministro dos Transportes. Augusto da Silva Tomás falava, à margem da assinatura do contrato para a aquisição de seis aeronaves, entre a nova operadora angolana de voos domésticos, Air Conection Express, e a canadiana Bombardier. “Tudo está a ser tratado entre as partes, para que os aviões cheguem ao país o quanto antes, já que delas depende o início das operações, mas em princípio as primeiras quatro chegam em 2019 e as outras duas em 2020”, revelou.

Informou que cada Bombardier, do tipo DH8-Q400, está avaliado em pouco mais de 23 milhões de dólares. No acto, o ministro anunciou também um ensaio a ser implementado por estes operadores, que vai marcar a abertura de um novo livro na aviação civil e ditar a criação de bases aéreas regionais. Avançou que as aeronaves vão parquear em quatro bases regionais, designadamente a Base Norte, em Cabinda, Sul - no Lubango, Leste - no Luena (Moxico) e na zona central do país, que terá como base o aeroporto da Catumbela (Benguela), fazendo ponte aérea com Luanda e garantindo o transporte inter-provincial. “Este ensaio visa dar resposta a preocupação das populações a nível do transporte aéreo, para reforçar a coesão social, económica e territorial do nosso país”, afirmou.

O consórcio é composto por nove accionistas, nomeadamente a TAAG, sócio maioritário, ENANA, Bestfly, Air Jet, Air 26, Air Guicango, Diexim, SJL e Mavewa, e está avaliado em 143 milhões e quatrocentos mil dólares americanos, na perspectiva de operar com aeronaves do tipo DH8-Q400.

O projecto resulta de um financiamento montado por um sindicato bancário composto e liderado pelo banco angolano BNI e pelos Bancos de Desenvolvimento Afrexim, sediado no Egipto e EDC – Export Development Canada.

Os dois primeiros financiarão a dívida júnior enquanto o EDC financia a sénior, estando já garantido 90 por cento do capital para a aquisição, havendo a necessidade do “aporte” de 10 por cento por parte dos accionistas e a necessidade de garantia soberana para assegurar o financiamento.

Assine a nossa newsletter
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky