Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Angola cresce 1,2% este ano e 2,4% no próximo
Junho 05, 2018
A unidade de análise económica do Standard Bank considera que a economia de Angola vai crescer 1,2% este ano e 2,4% em 2019, depois de dois anos de recessão acumulada acima de 5%. “Vemos um aumento no crescimento do PIB este ano e no próximo, chegando a 1,2% em 2018 e 2,4% em 2019, alicerçado na melhoria dos preços do petróleo, que devem melhorar a liquidez de moeda externa e potenciar a procura interna”, escrevem os analistas do maior banco a operar em África.

Na mais recente análise dos mercados africanos, enviada aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas do Standard Bank escrevem que “a despesa pública e as exportações líquidas devem melhorar devido ao aumento dos preços do petróleo e ao abrandamento da inflação”. Lembrando que o país saiu de uma “profunda recessão” em 2016 e 2017, de 2,6% e 2,5%, respectivamente, o Standard Bank nota que “a última vez que a economia cresceu foi em 2015, quando registou uma expansão de 0,9%”.

A economia angolana foi “severamente” afectada pelo colapso dos preços do petróleo, em 2014, o que causou pressões na liquidez da moeda estrangeira, nomeadamente dólares, e “obrigou as autoridades a adoptarem medidas restritivas de política monetária e consolidação orçamental”.

“Apesar do declínio de 5,4% na produção de petróleo, para 595,8 milhões de barris em 2017, o equivalente a 1,63 milhões por dia, reportados pelo Ministério das Finanças, os dados preliminares do INE mostram que o PIB petrolífero cresceu 8,2% em temos reais em 2017, recuperando de uma contracção de 2,7% durante 2016”, escrevem os analistas. A economia não petrolífera, todavia, “continuou em recessão, com uma contração de 2,5% em 2016 e 8,9% em 2017”.

No primeiro trimestre deste ano, “o volume de exportações de petróleo desceu 7,3% para 1,5 milhões de barris por dia, evidenciando o impacto negativo do ambiente difícil de operação, a maturação dos poços e o fraco investimento”.

Ainda assim, nota o Standard Bank, “o aumento dos preços foi suficiente para compensar a queda em volume”, o que fez com que as receitas da exportação petrolífera tivessem aumentado “14,2% para uma média de 3 mil milhões de dólares por mês durante o primeiro trimestre deste ano, o que compara com uma média de 2,6 mil milhões durante os primeiros três meses de 2017”.

Assine a nossa newsletter
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky