Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018
Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
 
Notícia
Produtos portugueses falsificados em "lista negra" de Angola
Agosto 07, 2018
Datas de fabrico e de caducidade aparentemente falsificadas levaram a Associação Angolana dos Direitos do Consumidor (AADIC) a pedir para que fossem retirados de circulação ou verificada a proveniência de vários produtos portugueses.

posição está expressa numa nota de imprensa enviada hoje à agência Lusa, em que a AADIC exorta as autoridades a pronunciarem-se "o quão breve possível", porque, adianta, "está em causa a vida de milhares de cidadãos que, em Luanda e não só, terão consumido esses produtos".

Nesse sentido, a AADIC "exige" um pronunciamento do Ministério do Comércio angolano sobre a quantidade de bens alimentares comercializados e/ou apreendidos, entre laticínios, papas e bebidas energéticas, cujas datas de fabrico e caducidade estão supostamente falsificadas. "Devem informar precisamente a sociedade em geral e os consumidores sobre quantos lotes foram comercializados, quantos foram apreendidos, onde exatamente possam estar e onde estavam a ser comercializados e os cuidados ou procedimentos que os consumidores devem ter", defende a Associação.

Segundo a AADIC, as práticas de falsificação de datas de fabrico e de caducidade não se ficaram somente por Luanda, sendo extensiva a todo território angolano, pelo que a associação apelou aos consumidores a "absterem-se de consumir os produtos enquanto o Ministério do Comércio não se pronunciar".

Entre os produtos englobados na lista da AADIC está a marca de leite portuguesa Mimosa, bem como outras como as papas Maizena e Nestlé, Cornflakes e flocos de aveia, os cereais Estrelitas, a bebida energética Redbull, o feijão Tio Lucas, o milho doce Condi, o óleo alimentar Cozinheiro Tempero, o ketchup Nhan Nhan, as manteigas Pastora, Puro Sabor e Soya, o sumo Bongo, os cogumelos Anna, o caldo de carne Maggi e as fraldas Pampers.

Nesse sentido, a AADIC apela também ao Ministério do Comércio angolano que explique quais os procedimentos que o consumidor deve seguir no caso de já ter consumido tais produtos ou se ainda deles dispuserem. Na semana passada, a AADIC indicou ter apresentado uma queixa-crime junto da Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola contra uma "rede criminosa" suspeita de falsificar datas de fabrico de bens alimentares, conforme noticiou a Lusa.

A suposta rede criminosa, adianta a Associação Angolana dos Direitos do Consumidor, integra cidadãos nacionais e estrangeiros que adulteram bens e produtos para as grandes superfícies comerciais.

Os alegados falsários, refere a AADIC, têm como preferência produtos ou bens com a designação "consumir de preferência antes de 24/01/2018 ou 08/2018", datas mais fáceis de adulterar. Após a falsificação, acrescenta o documento, os produtos são vendidos em todas as cantinas e pequenas lojas espalhadas pela cidade de Luanda e ainda em restaurantes e casas noturnas, uma prática classificada pela AADIC como "crime de envenenamento".

Assine a nossa newsletter
Horário: 09h00 - 13h00 > 14h30 - 16h30
Praceta projectada, Rua de Moçambique (paralela à Av. Calouste Gulbenkian), Lote Q
1º Esquerdo, Faro · Algarve · Tel. +351 289 897 100 / 289 895 622, Fax. +351 289 897 108/9
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
© 2011 Consulado de Angola no Algarve
Programação Step Ahead | Design TripleSky